Gerando novas ideias: Brainstorming na Igreja

Quando se trata do assunto “comunicação”, sabe-se que a criatividade e geração de novas ideias são fundamentais. Apesar disso, esse processo nem sempre é fácil e nós, muitas vezes, não sabemos sequer por onde começar. Dessa forma, hoje vamos tratar de uma ferramenta extremamente simples, mas ao mesmo tempo muito poderosa no auxílio à geração de novas ideias, independentemente da complexidade do objetivo a ser alcançado: o brainstorming.

Vale ressaltar que o brainstorming já é muito utilizado dentro das empresas, apesar disso, muitas vezes nossa tendência de separar as atividades desenvolvidas fora da igreja daquelas desenvolvidas dentro das igrejas é responsável pela não aplicação de vários conceitos importantes. Essa divisão é uma das grandes originadoras do cenário de atraso e monotonia que temos visto em muitas das nossas igrejas.

Como o próprio nome diz, brainstorming é o processo de geração de ideias em grandes volumes, através de uma “tempestade cerebral”!

Apesar do nome complicado, essa técnica é muito utilizada não para a seleção das melhores ideias, mas sim para a geração do maior número possível de “insights”, a fim de que alguns destes pontos possam ser desdobrados em ações inovadoras.

Antes de vermos alguns passos simples para a execução de um bom processo de brainstorming, vamos elencar três regras básicas dessa metodologia, sem as quais certamente não serão obtidos os resultados esperados:

  1. Brainstorming é um processo em grupo;
  2. Quanto maior a diversidade de “backgrounds” dos participantes, mais rico será o processo e, certamente, mais criativas serão as ideias geradas;
  3. Durante um processo de brainstorming não são permitidos julgamentos (toda ideia é uma boa ideia);

Estas regras, apesar de simples, são fundamentais para o desenvolvimento de uma sessão de geração de ideias, uma vez que o processo colaborativo dessa forma torna-se muito mais rico, aspecto fundamental quando estamos tratando de igrejas, que são locais extremamente diversos e que contêm um público bastante complexo (diversas faixas etárias, gostos, costumes, criações). Abaixo, vamos ver, em linhas gerais, os principais passos de um brainstorming:

Passo 1: Reúna sua equipe de trabalho em um local confortável e descontraído

Apesar do processo de brainstorming poder ser desenvolvido em qualquer lugar e a qualquer momento, um espaço confortável e descontraído pode favorecer, e muito, a geração de ideias, uma vez que, em ambientes demasiadamente controlados as pessoas podem se sentir intimidadas a não expor ideias muito diferentes, fora da rotina. Uma boa dica é sair do local comum (muitas vezes sair dos salões das igrejas e dos templos) e buscar uma cafeteria legal, ou a casa de um dos participantes.

Também vale ressaltar que sair do lugar comum pode ser uma ótima forma de evangelismo, uma vez que outras pessoas podem se interessar pela discussão e dessa forma se engajar em uma conversa evangelística.

Passo 2: Tenham o objetivo claro

O processo de brainstorming é utilizado normalmente para se gerar ideias para um problema claro, ou um objetivo concreto, a exemplo a criação de um nome para um evento, ou criação do conceito de um vídeo institucional, entre outros. Dessa forma, tenha sempre o objetivo em mente e busque deixar o mesmo claro para todos os participantes, assim, certamente as ideias geradas terão uma proximidade muito maior com a situação proposta.

Passo 3: Faça uma primeira sessão de geração de ideias aleatórias

Uma vez encontrado um bom lugar e estando claro o objetivo da sessão de brainstorming, comece a provocar os integrantes do grupo para que os mesmos exponham seu pensamento a respeito do objetivo comum. Certamente, neste momento já surgirão varias ideias e é importante lembrar que julgamentos são proibidos (todas as ideias são válidas para este primeiro momento).

Para facilitar as discussões, sugiro que seja utilizado um quadro de flipchart e alguns post-its. Dessa forma, cada pessoa fica com um bloquinho de papel e escreve nele o maior numero de ideias que conseguir. Estas ideias serão posteriormente colocadas no quadro para um processo de votação.

Passo 4: Exponha as ideias

Uma vez finalizada a primeira sessão de geração de ideias, reúna todos os post-its no quadro de flipchart, ou em uma parede, para que uns possam ler as ideias dos outros.

Passo 5: Faça uma votação

Uma vez que as ideias estão expostas, peça para que os integrantes votem nas 3 ou 5 ideias preferidas. Estas ideias serão alvo de aprofundamento, e provavelmente serão aquelas utilizadas para definitivamente resolver o problema proposto ou construir a peça de comunicação desejada. Vale ressaltar que estas ideias ainda encontram-se em um estágio inicial, e devem ser selecionadas para um aprofundamento (aí sim mediante um julgamento criterioso a cerca da verba disponível, infraestrutura, entre outros).

Passo 6: Não pare!

O brainstorming é um processo iterativo e pode ser realizado quantas vezes forem necessárias. Uma vez determinadas as ideias vencedoras, faça novas sessões de brainstorming para aprofundar estes conceitos, a fim de que os mesmos fiquem mais específicos e aplicáveis.

Lembre-se sempre que a prática é fundamental e que certamente, reunir um grupo sob a orientação de Deus e com muita vontade de inovar, não tem como dar errado.

Certamente as ideias geradas neste momento serão muito mais poderosas do que as ideias que seriam propostas apenas por uma pessoa. Utilize o brainstorming a seu favor e tenha sempre em mente que mesmo que sejam geradas as melhores ideias do mundo, as mesmas tornam-se inviável a partir do momento em que não nos colocamos sob a vontade de Deus.

Guarde este pequeno roteiro e aproveite para inovar mais em nossas igrejas. Com certeza o mundo à nossa volta está borbulhando de novas ideias e sendo cada vez mais atrativo. Nós vamos ficar parados? Certamente não!

Recommended Posts
Showing 2 comments

Leave a Comment

Start typing and press Enter to search