Guia prático sobre vídeo para igrejas – Lição 30

LIÇÃO 30 – FILMAGEM AVANÇADA: SLIDERS E CRANES

Nas últimas duas lições estivemos falando um pouco sobre equipamentos e artificios utilizados juntamente com sua câmera para estabilizar suas filmagens, entre eles o tripé, monopé, suporte de ombro e a steadycam. Hoje, vamos concluir essa sessão falando um pouco sobre sliders e cranes.

1. SLIDER (TRILHO)

Um slider é basicamente um trilho com uma cabeça de tripé em cima. A cabeça do tripé é conectada a algumas roldanas que deslizam no trilho. Isto serve para que você possa mover sua câmera pra frente e pra trás, fazendo movimentos laterais ou longitudinais.

Slider Fonte: manfrotto.com

Slider
Fonte: manfrotto.com

Utilizar um slider é bem simples: conecte sua câmera à cabeça do tripé e movimente-a no trilho. No entanto, existem alguma boas práticas que podem assegurar que você está se apoderando do melhor que este equipamento pode oferecer. Separei 4 dicas para isso:

– Use uma lente grande-angular: assim como filmar utilizando uma steadycam ou em mãos, o segredo para uma bela filmagem é minimizar aquelas tremidas indesejadas. Só porque você esta movimentando seu slider bem devagar não significa que você realmente esta tendo o mesmo efeito na filmagem. Então, você precisa fazer a situação estar a seu favor. Utilizar uma lente grande-angular permite que você tenha uma área de visão maior, o que faz com que os tremidos que seriam mais notáveis com uma teleobjetiva ou normal, aqui sejam menos perceptíveis.

Filme em câmera lenta: para que a filmagem em um slider funcione, é necessário que fique com um aspecto suave, como se a câmera estivesse flutuando no ar. Um jeito de criar esse aspecto é filmar com uma taxa de quadros de 60fps, ou seja, em câmera lenta, e depois desacelerar na pós-produção para 24fps. A câmera lenta já produz takes suaves, então isso irá contribuir para o efeito que buscamos filmando com um slider.

Filmes vários quadros: sempre que estiver utilizando um slider, faça o mesmo take 5, 10 vezes diferentes. Filme a cena, filme de novo, e de novo. Não dá pra saber quando o chão terá alguma saliência, ou quando sua mão irá escapar um pouco, ou o quando o movimento não será contínuo e consistente durante o deslizamento. Você não irá notar quando estiver filmando, mas irá perceber quando estiver assistindo mais tarde. Então para garantir, é melhor ter bastante material de reserva.

Primeiro e segundo plano: este é o segredo da coisa! Sliders não são equipamentos muito grandes. A média de tamanho é de 60cm a 1.20m. Então, na verdade sua câmera não está deslizando para muito longe e se você não planejar sua cena bem, nem irá parecer que a câmera está se movimentando. O segredo para que isso dê certo é ter um elemento em primeiro plano e outro no segundo plano, ao fundo. Para se certificar disso, basta colocar o slider no chão, ao invés de elevá-lo e coloca-lo em um tripé. Desse modo, o elemento em primeiro plano sempre será o chão imediatamente à frente da câmera.

  • Funciona bem:

– para filmagens estáveis;

– material alternativo e de reserva (B-roll);

– adicionar dramaticidade e emoção às cenas;

  • Não funciona bem:

– para filmagem principal da cena (A-roll);

– filmagens rápidas e que requeiram montagens dinâmicas.

 

2. CRANE/JIB (GRUA)

O equipamento final da nossa sessão de filmagem avançada é o crane, também conhecido como jib, ou para nós, a grua. O crane e o slider são bem parecidos no que se refere aos seus requisitos de técnica.

O crane é um braço longo que suporta a câmera ao final dele e possibilita filmagens de takes maiores que cobrem uma vasta área.

Crane/Jib Fonte: amazon.com

Crane/Jib
Fonte: amazon.com

Eles são bons para ter cenas diferentes, mas requerem muito tempo para montagem e podem não oferecer muitas contrapartidas no custo/beneficio. Para a utilização dele, você pode empregar as mesma técnicas que comentamos sobre os sliders: use uma lente grande-angular para minimizar os tremores ou movimentos acidentais, filme vários takes da mesma cena, utilize uma taxa de quadros de 60fps e certifique-se que existem elementos no primeiro e no segundo plano.

  • Funciona bem:

– para filmagens maiores para impressionar;

– material alternativo e de reserva (B-roll);

– filmagens estáveis;

  • Não funciona bem:

– filmagens rápidas e que requeiram montagens dinâmicas.

Agora que terminamos de falar sobre alguns equipamentos que você pode utilizar para incrementar sua produções você pode estar pensando que adquirir algum deles não seja uma opção no momento. Algo que eu sempre venho dizendo e que, temos que reconhecer, é uma habilidade dos brasileiros, é utilizar sua criatividade! Vou compartilhar uma experiência minha: queríamos desenvolver um vídeo para divulgação de uma programação dos jovens da minha igreja que envolvia gravar uma pessoa correndo. Já imaginou a tremedeira que seria eu correndo atrás com a câmera nas mãos? Nem preciso falar que não tínhamos nenhum dos equipamentos que mencionei. Qual foi a solução? Peguei um antigo patinete que eu tinha em casa, amarrei minha câmera na parte em que colocamos os pés e fixei com fita isolante (!). E saí patinando ao lado da pessoa correndo. É obvio que o asfalto das cidades brasileiras são lamentáveis e tinha trepidação para dar e vendar, mas como eu utilizei uma grande angular, este problema foi minimizado e também fazia parte do conceito algumas tremedinhas. Quer conferir como ficou? Veja abaixo.

Para as outras cenas utilizei outras gambiarras que outro dia compartilho com vocês! Rs. Mas contei tudo isso para que você não se sinta preso a circunstâncias, mas que você inove, utilizando o dom que eu sei que Deus te deu!

Mas se você está pensando em investir em um slider, existe uma marca boa que se chama Konova (konovaphoto.com). Existem vários aspectos legais deste fabricante e um deles é que existem muitas opções. Por volta de R$700,00 a R$ 3.500,00, você pode escolher um comprimento de trilho específico, adicionar um motor para timelapses ou uma alça curvada e muitas outras coisas legais. A melhor parte é que é composto de roldanas e trilho de aço, o que é mais comum nos sliders mais profissionais. Mas aqui, você pode ter acesso a isso por um preço mais acessível. A composição em aço irá garantir que os movimentos sejam mais suaves e é justamente isso que estamos procurando! No entanto, não é muito fácil de achar aqui no Brasil.

Para quem está começando ou gostaria de testar alguns desses equipamentos, recomendo dois sites em que já realizei compras e nunca tive problemas, que apresentam alguns modelos de equipamentos que citamos com preços mais aceitáveis: o Novoart e o Worldview.

Alguns acessórios do Novoart: Estabilizadores e Sliders

Alguns acessórios da WorldView: Estabilizadores e Sliders

Se você é da turma das gambiarras como eu, tenho certeza que tem uma história legal para compartilhar também! Conta pra gente! Ou se tem alguma dúvida ou algo a acrescentar, escreva aí embaixo!

No nosso próximo encontro, vamos adentrar uma nova sessão! Fique atento!


CONTINUE LENDO…

Recommended Posts

Leave a Comment

Start typing and press Enter to search