Guia prático sobre vídeo para igrejas – Lição 20

LIÇÃO 20 – ENQUADRAMENTO: DISTÂNCIA

Mais uma vez, como já falamos, a distância afeta significativamente o tom e o sentimento provocado por seu vídeo. E para construir essa distância, ou não, utilizamos os movimentos de câmera.

Um movimento, ou uma mudança de ponto de vista, é essencial quando precisamos descrever uma paisagem, uma cena ou objetos e deve ser utilizado com uma intenção bem clara. Não é aconselhável repetir muita vezes efeitos de aproximação e distanciamento, pois pode causar tontura nos espectadores; melhor é alternar cautelosamente com planos fixos.

Os movimentos geralmente servem para acompanhar algum personagem, criar a ilusão de movimento de um objeto estático, descrever um espaço amplo ou uma ação, expressar sentimentos, entre outros. Existem três tipos principais:

1 – Travelling (ou Tracking)

É o deslocamento físico da câmera, mantendo o mesmo ângulo entre a lente e a trajetória, que pode se desenvolver sobre algum tipo de trilho. Este pode ser o chamado “dolly” (tripé sobre plataforma com rodas), a grua (guindaste que eleva a câmera) ou steadycam (equipamento hidráulico que impede que a imagem saia tremida mesmo em movimento).

O travelling pode ocorrer para trás, criando efeito de conclusão, afastamento, desligamento, desânimo; ou para frente, indicando ponto de vista de um personagem que avança, ou ainda subjetividade de uma cena.

2 – Panorâmica

É o movimento da câmera sobre seu próprio eixo, ou seja, a rotação do aparelho sem que ele saia do lugar. A panorâmica é muito utilizada na descrição e exploração de um espaço. Ela pode sugerir impressões ou ideias, como uma panorâmica circular que simula a embriaguez de um personagem. Quando rotacionamos a câmera para os lados, chamamos de Pan; quando para cima ou para baixo, Tilt.

3 – Trajetória

É um movimento menos utilizado, que combina travelling com panorâmica com a ajuda de uma grua.

4 – Zoom Óptico

Este não consiste em um movimento de câmera, pois quem de fato se movimenta é a lente. As lentes que possuem a funcionalidade de zoom óptico na verdade são um conjunto de várias lentes em paralelo. Aqui existe a troca de uma lente grande angular para uma teleobjetiva segundo o efeito que se procura. O zoom-in fecha o ângulo, aproximando a imagem; já o zoom-out realiza o contrário, abrindo o ângulo e distanciando a imagem. Existe ainda o zoom digital, que não caracteriza um movimento de lentes, mas apenas uma distorção dos pixels.

Aqui está um vídeo editado e legendado que exemplifica um pouco os movimentos mais comuns:

Pegue sua câmera e comece a imprimir mais estilo aos seus vídeos explorando os movimentos que você pode realizar com ela. Lembre-se que é sempre melhor se aproximar dos motivos do que utilizar o zoom; este, sendo digital, muitas vezes, distorce a imagem, piorando a qualidade.

Os movimentos devem sempre servir a um propósito, como nesse exemplo da série famosa “Breaking Bad”, repare:

Agora, sabendo como combinar o posicionamento, os ângulos e os movimentos, tenho certeza que o enquadramento e a composição das suas próximas produções serão muito interessantes. Compartilhe com a gente o resultado!


CONTINUE LENDO…

Recommended Posts

Leave a Comment

Start typing and press Enter to search